Bosque Rodrigues Alves recebe filhote de peixe-boi resgatado no Marajó

O Bosque Rodrigues Alves recebeu, na manhã desta quarta-feira (16), um filhote de peixe-boi resgatado em um vilarejo do município de Muaná, no Marajó. O animal chegou ao Jardim Zoobotânico da Amazônia debilitado e com o estado de saúde considerado crítico pela equipe técnica do local. O filhote, que foi resgatado por um pescador da localidade, recebeu o nome de Moana Joroquinha, já que se trata de uma fêmea.

Moana foi resgatada por veterinários voluntários e uma equipe do projeto Bioma. A médica veterinária voluntária, Ively Maluna, relatou que o pequeno mamífero foi encontrado em estado crítico de saúde e necessita de cuidados especiais para voltar à natureza.

“O animal está muito debilitado, muito desidratado e, provavelmente, estava à deriva ou preso malhado há bastante tempo e, por isso, ele está apresentando um estado bem crítico para a espécie. Esses animais já nascem com uma condição corporal muito boa e são mantidos pela mãe. Então, provavelmente ele está longe da mãe há muito tempo. Ele também apresenta diversas marcas pelo corpo, o que pode indicar que ele pode ter sido vítima de alguma tentativa de caça ou captura, o que pode ter levado o filhote a encalhar”, ressalta a especialista.

Apesar do estado ser considerado crítico, a esperança de melhora tem tomado conta da equipe que atuou no resgate do animal, principalmente pela experiência que os profissionais têm em resgate da espécie, que é considerada ameaçada de extinção, na categoria vulnerável.

“A gente já tem diversos peixes-boi mantidos em cativeiro que vieram decorrentes de encalhe, emalhe, de captura acidental e que estão em ótimas condições de saúde. Então, realizando o manejo veterinário, o manejo biomédico clínico correto, o animal tem plenas condições de se estabilizar, ganhar condição corporal para entrar em um programa de reabilitação”, destaca Ively.

Para receber o animal, a equipe técnica do Jardim Zoobotânico iniciou uma força tarefa para tratar do filhote. O espaço preparou um tanque especialmente para receber Moana, que já está passando por exames e sendo cuidada por biólogos e veterinários do Bosque, além de voluntários.

“A gente tá tentando fazer o possível para salvar o filhote. A gente não tava preparado pra ambientar o animal, mas conseguimos preparar um espaço para ele ficar e a alimentação adequada já está sendo providenciada. Ao longo da quarentena, nossa equipe vai fazer o possível para salvá-lo. A gente tem a esperança de que ele se recupere. Ele é muito filhote, tem um mês de idade e está muito novinho. A gente tem que ter o máximo de cuidado com ele. Nossa equipe vai fazer de tudo”, destacou a veterinária do Bosque, Juliana Bitencourt.

A operação tem como prioridade o cuidado com o animal, para que o mesmo tenha a saúde restabelecida, o que exige cuidados para que a ação seja realizada de acordo com os trâmites da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (semas), para legalizar a situação do animal.

“Como foi uma emergência, a gente resolveu fazer uma operação de urgência para salvar o animal. A gente sabe que existem questões legais para manter o animal no Bosque. A gente vai sentar e verificar com a Semas, que é a responsável de legalizar todo tipo de fauna silvestre no estado do Pará. Mas deixamos bem claro que o peixe-boi não ficará disposto para visitantes, ele está aqui apenas para recuperação. O Bosque está sendo usado como mantenedor provisório. A ideia é soltá-lo na natureza quando o mesmo estiver apto. A gente vai comunicar o órgão ambiental e solicitar um apoio técnico dos mesmos para ajudar o Bosque a salvar a vida desse peixe-boi, que está em risco. Precisamos primeiro cuidar dele”, ressalta o diretor do Departamento de Gestão de Áreas Especiais-DGAE da Semma.

REFORMA

O Bosque Rodrigues Alves segue fechado para reforma. O espaço está com o funcionamento suspenso, para que o mesmo receba obras de restauração. Entre elas, a reforma da fachada do espaço, o que inclui a revitalização do muro e das grades, a calçada e iluminação externa.

O Lago da Iara, onde ficam os peixes e são realizados os passeios de barco, também está sendo restaurado. Tudo isso para tornar o Jardim Zoobotânico da Amazônia um espaço cada vez mais agradável e receptivo para a população.

A reabertura do Bosque está prevista para ocorrer ainda durante este primeiro semestre.